quarta-feira, 23 de Abril de 2008

PINHEIRO DE AZEVEDO


José Baptista Pinheiro de Azevedo.

Conhecido como o "Almirante sem medo",o militar foi,após a "revolução dos cravos", membro da Junta de Salvação Nacional, ministro da Defesa, primeiro-ministro e candidato a Presidente da República.Muitos recordam-no pelo grito de "Bardamerda para o fascista!",que lançou de um Parlamento sequestrado no PREC pós 25 de Abril.

Nascido em Luanda em 1917,Pinheiro de Azevedo entrou para a Academia Naval aos 17 anos e para a Guarda Marinha aos 20. Foi professor de Astronomia e Navegação na Escola Naval e professor do "Curso de Capitães" na Escola Náutica. Deixou vários livros técnicos sobre Trigonometria, Meteorologia e Navegação. Durante a guerra colonial comandou a defesa marítima da província angolana do Zaire. Entre 1968 e 1971foi adido naval da embaixada portuguesa em Londres.

Aquando do 25 de Abril, era capitão-de-mar-e-guerra e comandante dos fuzileiros. Foi membro da Junta de Salvação Nacional, o órgão provisório de governo formado logo após a revolução, e desempenhou um papel importante no período a que se chamou PREC (Processo Revolucionário Em Curso).

Em Agosto de 1975, foi designado primeiro-ministro do VI Governo Provisório, substituindo Vasco Gonçalves.
Pinheiro de Azevedo chefiou-o até às eleições de 1976,das quais saiu o I Governo Constitucional.

Às vezes lembro-me do Almirante Pinheiro de Azevedo, porque proferiu algumas tiradas que ficaram para sempre na nossa memória, e muitos já concerteza ouviram a história da "fumaça" no Terreiro do Paço.
Esta sua entrevista aquando do seu sequestro é, no mínimo,hilariante.
Portanto aqui está o Almirante Pinheiro de Azevedo ao seu melhor estilo.





A 12 de Novembro de 1975,estando o Parlamento cercado por operários da construção civil em greve,alguns manifestantes chamaram fascista a Pinheiro de Azevedo.A resposta não se fez esperar:"Bardamerda para o fascista!".
E outras:
"Já chega, não gosto de ser sequestrado, é uma coisa que me chateia, pá!"
"Não , não não, essa dos padeiros concerteza... sim, talvez, olhe e daí talvez."
"E eu agora, eh pá, vou almoçar pá!!!"

Ainda durante o cerco, o "almirante sem medo" teve uma atitude inédita: auto-suspendeu-se por falta de condições para governar. Poucos dias antes, durante uma manifestação de apoio ao Governo, no Terreiro do Paço, em Lisboa, rebentaram granadas de gás lacrimogéneo lançadas pela Polícia Militar e petardos do PRP contra os manifestantes. "É só fumaça!", assegurou imediatamente o primeiro-ministro,acrescentando que "O povo é sereno".

De facto,Pinheiro de Azevedo tinha toda a razão,o povo é sereno...e foi sereno!!!
Em lado nenhum do mundo se fez tamanha revolução politico-social de forma tão pacífica.

3 comentários:

Anónimo disse...

Pinheiro de Azevedo o povo não tem medo.Este era o slogan da altura.Um senhor este defensor de Olivença.Ele defendia Olivença como portuguesa
Parabens pelo blog

Humberto Fernandes disse...

A história estará cheia de factos cuja exactidão não poderá ser aferida.
Mas um há que teimo em desmitificar, porque está a passar à história "fantasiosamente", até porque existem gravações audio/video que o atestam. Pinheiro de Azevedo NUNCA disse a frase que lhe é atribuída, nesse dia: "É SÓ FUMAÇA!"...o que ele disse e por DUAS VEZES , para quem quiser fazer o favor de ouvir a gravação, foi "É APENAS FUMAÇA" . Lamento estar dizer a muitos que "o pai natal" não existe...
Por acaso até estive nesse dia lá.
Saudações

Anónimo disse...

É só fumaça ou É apenas fumaça, qual a diferença? Mudou o significado? Afecta a grandeza deste Homem?
"Picuices" de gente minúscula.